O Acto de Reclamar – um inimigo silencioso

complain

Todos nós reclamamos – sobre pessoas ou situações com que lidamos na nossa vida.

Muitas vezes, chamamos a reclamação de “desabafo”, como forma de esconder a nossa necessidade de queixa, mas no fundo, a base comportamental acaba por ser a mesma.

À primeira vista, “reclamar” pode parecer inofensivo e às vezes até aliviante, contudo o acto de constantemente reclamar pode provocar sérios problemas a nível físico e até mental.

O próprio sistema social parece encorajar o acto de reclamar! Reclamamos do trabalho e da sobrecarga que temos, reclamamos da falta de tempo para usufruir a vida, reclamamos do(a) nosso(a) companheiro(a) pelos seus defeitos e falhas, reclamamos acerca da política, reclamamos do dinheiro que é pouco, reclamamos de membros de família, reclamamos por não conseguirmos dormir e sentirmo-nos exaustos, etc, etc, etc. A lista é longa!

Mesmo que nós achemos que até não somos de reclamar assim tanto (será que não?), conhecemos pessoas que o fazem constantemente e sabemos o quão desgastante é estar ao pé de uma pessoa que passa a vida a reclamar!

Então, como é que o acto de reclamar pode afectar-nos negativamente?

A nível mental, de acordo com a Neuro-Ciência, toda a vez que reclamamos estamos a reforçar aquela realidade/situação que nos faz reclamar. E, se reclamamos constantemente, a situação tornar-se-á a nossa realidade quotidiana!

Pensamentos negativos atraem mais pensamentos negativos e o mesmo acontece com as emoções, criando um ciclo vicioso de “situações negativas crónicas”.

Em paralelo, “a miséria adora companhia” e os “reclamões” tendem a atrair pessoas que também têm o mesmo comportamento, o que reforça ainda mais o seu comportamento!

As pessoas que reclamam muito acabam, de uma forma ou de outra, influenciando as outras pessoas à sua volta.

Já aconteceu partilhar a sua própria experiência com alguém, que tinha exactamente a mesma situação na vida? Isto acontece muitas vezes, até com as pessoas positivas e que menos reclamam e, às vezes, isto pode levar a que as duas pessoas passem horas e horas a reclamar da mesma situação.

Mas alguma vez já se perguntou como se sente após viver esta situação? Sente-se bem e aliviado, ou sente-se ainda mais desgastado do que estava antes?

Comigo isto acontece bastante e é verdade que ainda tenho tendências a reclamar disto e daquilo especialmente quando me sinto irritada ou frustrada com algo. Porém, já noto e cada vez mais tenho consciência de que quando estou nesta situação, fico facilmente irritada e desgastada e o que tento fazer agora é mudar o tom de conversa e o assunto e falar de algo mais positivo.

Períodos prolongados de “reclamação crónica” levam a que desenvolvamos mais facilmente quadros de stress e nos sintamos doentes e desanimados com a vida.

A nível biológico reclamar altera e prejudica o nosso sistema imunológico, aumenta a nossa pressão arterial (isso sei porque já senti várias vezes) e já está bem documentado que níveis de stress prolongados fazem-nos mesmo ficar doentes.

Cientistas já afirmam há anos que elevados níveis de cortisol (uma hormona produzida pelas glândulas supra-renais, que serve para ajudar o organismo a controlar o stress, reduzir inflamações, contribuir para o funcionamento do sistema imune e manter os níveis de açúcar no sangue constantes, assim como a pressão arterial), interferem com a capacidade de aprendizagem e de memória, assim como reduzem a função imunológica, promovem ganho de peso, problemas cardíacos e altos níveis de pressão arterial.

A nível psicológico, o stress causado pelo acto de reclamar pode aumentar o risco de depressões, doenças mentais e diminuir a esperança de vida.

Então, como parar de reclamar?

Como Seres Humanos que somos, realmente haverá sempre vezes em que teremos vontade de desabafar, ou reclamar.

Contudo, existem alguns “truques” que nos podem ajudar a controlar a nossa vontade de estar constantemente a reclamar.

Distancie-se

Uma das formas de, pelo menos, diminuir esta tendência é: sempre que sentir vontade de reclamar, tente distanciar-se um pouco daquilo que o/a faz sentir mal, de forma a desvanecer o sentimento negativo que estas situações causam em Si.

Observe-se

Outra boa forma é a auto-observação; tente prestar atenção à forma como se sente de cada vez que reclama. Verá que não é algo positivo e que, quanto mais reclama, mais o sentimento ruim aumenta.

Preste, sobretudo, atenção à forma como as pessoas com quem está a falar e a reclamar se comportam e verá que, a tendência natural delas será a de por mais lenha na fogueira (mesmo que seja com a melhor das intenções) e isto ao invés de ajudá-lo(a), só fará com que se sinta pior.

São poucas as pessoas que terão coragem de fazê-lo(a) olhar para si e ver que talvez você é que esteja a exagerar e muitas vezes porque não querem que você se chateie com elas ou que reaja mal. Ou muitas vezes porque vêm naquela situação uma oportunidade para também detonarem as suas reclamações. Mas a pergunta é: será que isto o(a) ajuda?

Permita-se Relaxar

Quando sentir vontade de reclamar de algo, ou frustrado(a) com algo, vá dar uma caminhada ao ar livre, na praia, vá ao ginásio descarregar, junte-se a um grupo de meditação ou yoga, ou simplesmente saia com amigos para divertir-se e relaxar.

Escreva

Uma forma muito terapêutica de canalizarmos a nossa energia negativa é escrever! (e como sei disto, risos!)

Arranje um diário, um papel, um bloco e simplesmente “descarregue” no papel tudo o que está a sentir. Isto fará com que, automaticamente, se acalme e permitirá que perceba melhor o que o(a) está a incomodar tanto, sob uma perspectiva mais equilibrada. E até pode chegar à conclusão de que afinal nem era tão mau assim!

Aceite a sua responsabilidade

Esta é uma forma muito inteligente de controlarmos e equilibrarmos as nossas emoções!

Aceitar a sua responsabilidade naquela situação que tanto o(a) incomoda, ao invés só de apontar dedos aos outros. Aceitar que talvez você também tenha contribuído para que ela acontecesse.

Isto irá logo suavizar a sua irritabilidade e irá permitir que tenha mais objectividade em tomar medidas para que as coisas melhorem.

Pense, reflicta, responsabilize-se. Talvez chegue à conclusão de que o melhor mesmo é deixar ir e seguir com a sua vida.

Se quer desabafar veja antes se os outros estão disponíveis e tente ser objectivo, evite dramas e vá directo ao assunto. Dê espaço à pessoa que o está a ouvir a também dar a sua opinião sincera sobre o assunto e esteja aberto(a) a recebê-la!

Lembre-se que “reclamar” afecta a sua energia, disposição, actividade mental e níveis de stress. Quer mesmo colocar-se nessa situação ou você merece algo melhor?

Pense nisso!

Um Abraço

Avatar

Nereyda Ah-Hoy

Autor Desde:  28/06/2019

Nereyda Ah-Hoy é Fundadora da Plataforma INDIKA, Formada em Comunicação e Terapeuta. Trabalhou no mundo corporativo quase 20 anos, tendo passado por diversas áreas como Vendas, Marketing, Comunicação e Relações Públicas, RH, Formação e Gestão de Equipas, Gestão de Projectos e Consultoria.

Entretanto, desde 2015 que decidiu abraçar a sua paixão e missão de vida como Terapeuta, tendo-se formado, até ao momento, como Practitioner de ThetaHealing (pelo THINK Institute of Knowledge), Especialista em Óleos Essenciais (pelo doTERRA), Monitora de Ch’i-Kung Terapêutico e em Massagem Detox (pelo Healing Africa), nas Técnicas de Barras de Acesso à Consciência e Facelift Energético (pelo Access Consciousness) e com Nivel I de Reiki.

Nereyda iniciou a sua jornada de Auto-Conhecimento em tenra idade e a constante leitura, pesquisa e estudo em diversas áreas terapêuticas alternativas e correntes de Auto-Conhecimento, como é o caso de Metafisica da Saúde, Astrologia, Numerologia, Física Quântica, Aromaterapia entre outras, têm sido os grandes alicerces na sua formação e aperfeiçoamento como Terapeuta e Ser Humano.

Através da Plataforma INDIKA, Nereyda encontrou uma forma de dar a sua contribuição ao mundo, sendo a INDIKA um canal através do qual partilha e divulga informação, conteúdos, produtos e servicos de profissionais especializados, que trabalham para o Bem-Estar Holistico das pessoas.

Em Fevereiro de 2022, Nereyda em sociedade com a sua irmã, Katia Ah-Hoy, abriu o Mindful Wellness Center, um Centro Holístico de Saúde e Bem-Estar em Maputo - Moçambique, como forma de dar continuidade ao seu sonho e paixão de contribuir para a evolução, auto-desenvolvimento e cura das pessoas.