A Ciência do Yoga

371-mj-3622

A Ciência do Yoga

 

O Yoga é, inegávelmente, uma filosofia.

 

Muitas vezes vemos o Yoga a ser apresentado como uma prática física. Ora, esta prática física, por si só,  isolada de todas as outras componentes e preceitos que constituem a sua essência e a tornam numa filosofia, não passa de ginástica.

 

O Yoga é uma prática completamente versatil e com uma abrangência extraordinária ao nível do corpo e da mente.

 

A componente física do Yoga, as posturas (asanas), tem de ser combinadaa com a regulação da respiração (prānāyāma) e a meditação (dhyāna), para que aconteça a alteração do equilíbrio dos sistemas de regulação do stress, tanto no nosso cérebro como no nosso corpo.

 

Os praticantes desta disciplina experimentam, ao nível físico, o aumento da flexibilidade, da força muscular e  do aperfeiçoamento da sua postura, mas estes são os sinais imediatamente visiveis ao fim de algum tempo de prática.

 

Para além dos sinais físicos, onde mais podemos sentir a influência desta prática?

 

ciência moderna, do mundo ocidental, tem vindo a interessar-se por investigar alguns dos benefícios que os praticantes de Yoga apregoam e um dos investigadores com mais resultados aprsentados é o Professor Sat Bir Singh Khalsa, Professor Assistente de Medicina e Neurocientista em Harvard e autor do livro Your Brain on Yoga (“O Teu Cérebro Sob Influência do Yoga”, numa tradução absolutamente livre), publicado por Harvard Medical School.

 

Há mais de uma década que o Professor Khalsa investiga a eficácia do Yoga e da meditação na produção de melhorias na saúde física e psicológica, sendo a gestão do stress um dos aspectos apontados como de maior impacto pela prática do Yoga.

 

Mas qual a importância disso?

 

De acordo com a Organização Internacional do Trabalho, cerca de um terço dos trabalhadores sofrem de stress relacionado com o trabalho.

 

A resposta ao stress é um mecanismo evolutivo de sobrevivência, provocado no nosso organismo por ameaças à nossa integridade física e psicológica, traduzindo-se no comportamento de “lutar ou fugir” (“fight or flight”). Esta resposta envolve a activação do sistema nervoso simpático e do eixo hipótalamo-hipófise-adrenal e, assim, a libertação das hormonas do stress: adrenalina e cortisol.

 

A resposta ao stress é natural, necessária e, em muitas situações, positiva, mas o stress em excesso e de forma esmagadora pode aumentar o risco de ansiedade e depressão, bem como diabetes, asma, hipertensão e doenças coronárias.

 

Procurar reduzir o stress nas nossas vidas é importante, não só pelo desconforto que causa, mas pelas implicações que pode ter na nossa saúde.

 

Um dos temas de investigação do Professor Khalsa reside na resposta ao relaxamento. Esta resposta psico-fisiológica do organismo caracteriza-se por, essencialmente, ser oposta à resposta ao stress.

 

Yoga, meditação, tai chi, outras técnicas de regulação e relaxamento da respiração levam a mudanças restauradoras na mente e no corpo, associadas a uma redução da excitação e a sentimentos de tranquilidade e bem-estar.

 

No entanto temos de considerar que o Yoga não funciona como uma varinha mágica, que acaba com os problemas do dia para a noite e nos traz imunidade ao sofrimento. A sua prática com regularidade ajuda a construir resiliência ao stress, ajuda-nos a estar com maior tranquilidade no nosso dia-a-dia, encarando as situações que passam por nós sem que as deixemos afectar-nos.

 

A solução que o Yoga oferece não é tornarmo-nos em seres robóticos, frios e invulneráveis a tudo o que represente dificuldades para nós e nos provoque noites mal dormidas, mas, sim, ajudar-nos a abrirmo-nos a aceitarmos a própria angústia, lidar com isso e seguir com a nossa vida.

 

A tranquilidade que esta prática acaba por nos trazer permite-nos a aceitação de outros pontos de vista, a abertura para novas soluções e uma maior capacidadede para chegar a consenso.

 

Autora: Maria Vieira

Avatar

Maria Vieira

Autor Desde:  04/08/2019

Maria Vieira é diplomada pela SACAP - South Africa College of Applied Psichology, em Aconselhamento e Comunicação na área de Desenvolvimento Pessoal e Familiar. É também Instrutora de Hatha Yoga e Meditação há mais de uma década e Mestre de Reiki desde 2005.

Maria tem experiência em formação de novos terapeutas nesta área.

Fez algumas formações no sentido de desenvolver ferramentas úteis para o Auto-Conhecimento, como Reiki, "Body Alignment" directamente com o seu fundador Jeff Levin, Hatha Yoga com João Rebelo, Isa Shakti e outros, Meditação com vários mestres nacionais e internacionais.

Tem vindo a efectuar palestras para empresas e grupos interessados na área de desenvolvimento pessoal, com exercícios práticos de pranayama e meditação.

O Auto-Conhecimento tem sido um caminho fascinante, que Maria vem percorrendo com alguma intensidade nas duas últimas décadas da sua vida.